Talvez seja sua crueza primária, anterior a qualquer linguagem visual, a qualquer intenção estética, o que mais contribua para revelar o seu sentido último, o absoluto desprezo por considerações éticas e sociais das delações. Na sua falta de acabamento, são o retrato mais nítido do que impunidade quer dizer. Não é preciso ouvir os depoimentos. Essas imagens descartáveis nos mostram o que até agora não podíamos ver.

Leia o ensaio completo na Revista Zum